domingo, 13 de janeiro de 2008

A máquina perfeita

Enquanto se discute por aí se os livros (tal como os conhecemos) têm ou não têm os dias contados, os e-books vão evoluindo.
Não há nada como o papel, nada como o cheiro de um livro acabado de chegar, nada que dê tanto jeito para ler na praia, no sofá ou na cama...
Pois, pois...
A verdade é que não me importava nada de ter uma maquineta destas.
É pequena (do tamanho de um livro), não tem fios, não precisa de qualquer computador para funcionar e através dela podem ler-se livros, jornais, revistas e blogues. Não só ler, como comprar online (aliás, basta comprar e, num minuto, temos o livro interinho do nosso lado).
Diz quem já usou que, por usar tinta electrónica (o que quer que isso seja), a leitura através do ecrã aproxima-se muito da de um livro tradicional. Imagino eu que isto queira dizer que não cansa os olhos.
Para além disso, dá para enviar mails, editar texto e ouvir música.
Perfeito, portanto.
Chama-se "kindle" e foi lançado pela Amazon, agora em Novembro.

A demonstração pode ser vista aqui:

http://link.brightcove.com/services/link/bcpid1243727405/bctid1315742268

3 comentários:

madalena disse...

Ainda não tive nenhum na mão. Mas assim de longe, acho que o que me ia fazer mais falta era passar as páginas.

madalena disse...

E, claro, prateleiras cheias de livros ficam sempre bem numa casa.

Unknown disse...

nao sei nao... gosto de sentir o papel... virar e revirar o livro enquanto estou a ler... gosto de ter marcadores de livros... mmmmmm, poupava no espaço... a única vantagem que vejo!